Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bluegazine

Sabe o que vem aí

Super Bock Super Rock, Dia 1: Épicos Red Hot Chili Peppers!

meo arena.jpg

 

A primeira noite do Super Bock Super Rock fica, inevitavelmente, marcada pelo regresso dos Red Hot Chili Peppers a Portugal.

Desde as 17h30 que o recinto no Parque das Nações recebeu muita e variada música espalhada pelo Palco EDP, Palco LG by SBSR.FM e Palco Super Bock mas todos os percursos feitos entre concertos tinham apenas e só um fator comum, invasão de t-shirts alusivas aos Red Hot Chili Peppers. Um desfile que não escolhia gerações, ali se concentraram milhares de fãs cheios de saudadas da banda californiana.

Mesmo assim, houve vários concertos a conseguirem captar a atenção e aprovação do público. Desde logo, a abertura simbólica do festival, que ficou a cargo dos Alexander Search, a banda do mais recente herói da música nacional, Salvador Sobral. Deram um excelente concerto a prometer uma carreira auspiciosa em crescendo.

Ainda no Palco EDP, o que fica situado por baixo da pala do Pavilhão de Portugal, projetada por Siza Vieira, os brasileiros Boogarins beneficiaram da frescura do arranque e também convenceram. Frescura em termos físicos, porque o calor que se fez sentir dia e noite em Lisboa foi intenso.

Excelente concerto para os The Orwells, com Mario Cuomo, o vocalista, a não deixar ninguém indiferente à sua performance e à música da banda de Chicago. Num estilo completamente oposto, Kevin Morby voltou a encantar o público português com a sua banda como sempre tem acontecido nos seus concertos por cá. Para o final da noite no Palco EDP ficou o novo concerto de The Legendary Tigerman que fixou muitos fãs apesar da maior parte do público já estar concentrada, aquela hora, no recinto maior à espera dos cabeças de cartaz da noite.

 

(Fotogaleria da 1ª noite do SBSR)

 

O palco da nova música portuguesa foi um sucesso neste primeiro dia. As atuações de Minta & The Brook Trout e Manuel Fúria e os Náufragos, chamaram fãs e curiosos, nunca desiludindo ninguém. Mas foi o ritmo avassalador dos Throes + The Sine que marcou a noite. Concerto festivo e colorido em termos musicais que fez as delicias de público local e internacional.

 

Pelo palco maior do festival, o Palco Super Bock no MEO Arena, passaram os The New Power Generation com Bilal a evocarem a memória musical de Prince. Ele que marcou a história do SBSR com uma atuação inesquecível no Meco que foi bem recordada com a presença de Ana Moura em palco. A música de Prince vive porque é eterna.

A promoção deste ano sorriu aos Capitão Fausto, os portugueses foram brindados com uma chamada ao palco maior do festival e não desperdiçaram a oportunidade de se mostrarem a uma plateia muito bem composta.

Pela meia noite, os mais esperados arrancaram o concerto que mais depressa esgotou o festival deste ano. Os Red Hot Chili Peppers deram um excelente concerto num formato curto para a carreira discográfica que apresentam, durou uma hora e meia. O alinhamento conteve algumas surpresas muito bem recebidas que contemplaram viagens no tempo que deixaram em extâse os fãs mais antigos da banda de Anthony Kiedis e Flea. Recuperaram os temas "Aeroplane", "Suck My Kiss", "Soul to Squeeze" e "By The Way", de forma arrasadora. Passaram pelos singles esperados do último álbum, tocaram os hits mais esperados como "Californication" e despediram-se com uma versão musculada de "Give it Away". Soube a pouco? Sim mas isso só mostra a vitalidade dos Red Hot Chili Peppers que resumiram em palco de forma superior a sua invejável discografia.

 

Para os mais resistentes houve um convite à dança no Palco Carsberg, na Sala Tejo. Os Tuxedo com os mestres Mayer Hawthorne e Jake One, trouxeram elegância e ritmo irresistível ao SBSR. Depois das duas e meia da manhã, a festa continuou com um irrepreensível DJ set de Xinobi que fez por merecer a presença dos festivaleiros mais festivos e resistentes.

 

Assim se fez a história do primeiro dia do Super Bock Super Rock 2017.